A Praça da Piedade – Ivana Pereira Neves

outubro 30, 2009 at 4:51 pm (Uncategorized)

Superei o desânimo, e fui para a Praça , mesmo não me sentindo muito bem, pois várias vezes cheguei na aula com dor de cabeça e ao começar a fazer os movimentos passava. Levei coisas para me esconder, mas depois, durante o reconhecimento , percebi que já estava escondida, uma sensação estranha lugar escuro, as árvores balançam mas é querendo se livrar, queria ficar perto dos colegas , porque me sentia confortável , quando estava com pelo menos um, mas o exercício era para reconhecer esse lugar, e fiquei no lugar que não queria afastada. Não precisava me esconder, repetia na mente, aquele ambiente de conflitos passados estava, me sufocando, não consegui movimentos soltos estava amarrada , cabeça doía muito, estômago embrulhando, parecia que estava com virose, sensação de pés presos, mente com muitas idéias , cheia , mas não tinha como realizá-las e a dor só aumentava.

Até que um homem, a princípio, começou a criticar, então perguntei se ele sabia o porquê do nome Praça da Piedade, ele ficou quieto, logo veio o momento de mostrar o cartaz que dizia algo sobre o assunto, e eu já estava achando que não iria servir para nada, fiz outros que enquanto escrevia pensava que não tinha nada a ver, pois eram sobre questões que devemos atentar para o nosso dia a dia e lá eu compreendi, e fiz a ligação.

A praça foi palco de muitas manifestações e conflitos que precedera a Independência da Bahia. E mais uma vez a palavra independência, liberdade, ainda bem que não desisti deste confronto. Hoje muitos vêm à Praça, para um encontro, para relaxar, para pensar, jogar conversa fora, preencher o espaço vazio do ser, discutir, questionar… já não sentia vergonha, mas meu corpo estava pesado.

O homem começou a rir, ele comentou que a dança ou movimentos não diziam nada para ele, falei “seu corpo expressa algo através dos movimentos, experimente em casa!” ele ficou quieto. Depois começou a dar gargalhadas e comentava sobre o movimento do pessoal. Ele falou que não gostava de coisas diferentes, preferia o normal, etc….

Ouvi Max dizer “vamos Ivana”, então peguei as coisas me despedi do homem. Cadê o povo? No momento vi a praça vazia, escura, não reconheci, então de repente ouvi um barulho de gritos, pensei o pessoal se uniu vamos lá, mas a impressão que me veio foi de alvoroço, fuga, corre corre, como se na minha mente viesse a imagem de muitas pessoas fugindo, foi rápido, num piscar de olhos e me deu um mau estar e fui ao shopping correndo beber água e ao banheiro… Sei que perdi a parte que mais gosto.

Quando voltei percebi que a galera esteve me procurando, calma, vocês me alegraram com os gritos de encontro, disseram que estavam me chamando, só que fiquei imaginando depois como foi que chamaram meu nome naquele lugar, queria ouvir, acho que funcionou pois, na minha ida ao Shopping encontrei um grande amigo e ele me chamou para uma festa, por pouco não retorno, mas estava sem o tel. das prof. Carol e Lilih para avisar e não estava arrumada.

Fiquei ouvindo todos falarem …e o modo que falavam.

Eu olhava a Praça e reconhecia que por trás das lembranças de conflitos, derramamento de sangue, sentimentos de almas presas e mortas, ela me mostrou um “movimento de corpos presos e mente livre e em conflito”. Que palavra, retrata esse sentimento de prisão e liberdade? Insistência, por ter contrariado minha vontade e estar ali mesmo com dor de cabeça? Não, não, seria só para mim. Achei!! Da harmonia que estava sentido no grupo, ouvindo o traçado em conjunto da confecção do desenho de Max, para sair do papel, significando realizar algo, vi um plano, um objetivo, deu vontade de chorar, relutei, pois não queria falar e só sentir e perceber essa sensação, estava diante do Coletivo Azul, traçando planos para produzir “suas vestes” ou “símbolo”, algo concreto que tanto procuramos nessa viagem em busca da criação da arte. Agradeci à “Praça” a palavra era PERSISTÊNCIA.

PRAÇA DA PIEDADE para mim você será lembrada como A PRAÇA DA PERSISTÊNCIA. Aqueles homens que estavam ali representados na praça eles se reuniam, tinham sonhos e não desistiram mesmo diante da morte, eles foram persistentes eram lideres da Revolta dos Alfaiates, pensava eu.

E apareceu um cidadão pedindo ajuda, se ajoelhando, o que isto pode resignificar, fugindo das nossas percepções materiais???

De onde eu estava sentada a minha visão foi do portão aberto e aquele homem ajoelhado bem no meio, me assustei, reconheci o seu movimento e seu nome, AJOELHAR-SE / PIEDADE. Será um recado da “Praça”, pois para mim foi, ela me dizia persistência eles tiveram, mas perto da morte clamaram por piedade. Meu movimento o ajoelhar-se meu nome é PRAÇA DA PIEDADE.

Valei Coletivo Azul!

Anúncios

Link permanente Deixe um comentário

Relatório 16/10 – Jacson do Espírito Santo

outubro 30, 2009 at 4:42 pm (Uncategorized)

__________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________”vocês estão sofrendo sem gozar”_____ _________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________”não estou entendendo, sabe?”_________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________”não quero entender”____________________________________________________ ________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________”não suporto mendingos”____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________”paguei mico”_____________________________________ ________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________”falem”_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________[SILÊNCIO]

__________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________”largue esse celular”________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________[RISOS]____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________[não gosto de me expor]________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________[Nietzsche]_____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________________________________________”lindo!”______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ “tem Larrosa ai?________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________”tá no blog”________________________________ _________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________[PRAÇA DA PIEDADE]____________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________”diretrizes”__________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________”bom final de semana,bjus”___________________(PEDRA, PAPEL,TESOURA).

Link permanente 1 Comentário

Stelarc e seu corpo…

outubro 28, 2009 at 1:58 am (Uncategorized)

Uma dica para vocês de como a intervenção pode tomar outras direções…

http://www.stelarc.va.com.au/index.html

Link permanente Deixe um comentário

outubro 27, 2009 at 1:58 pm (Uncategorized)

Galera,
Nosso encontro de 23/10 marca o início de um coletivo audacioso, corajoso e que promete um trabalho muito consistente e verdadeiro. Muito além das pretensões espetaculares e glamurosas mostramos ontem que somos capazes de viver nossos desejos e coloca-los em prática na vida-arte.
Para mim a existência deste grupo trascende o lugar da disciplina e repercute também no meu fazer enquanto artista e educadora, acredito que este coletivo será o ponto de partida para muitos trabalhos e investigações futuras…Parabéns a todos pela vontade e coragem!!!

Longa vida ao Coletivo azul e de todas as cores!!!!!!!!!!!!!!
Beijos!
Carolina Teixeira

Link permanente Deixe um comentário

Só para descontrair um pouco…

outubro 26, 2009 at 3:12 am (Uncategorized)

Uma breve reflexão sobre o futuro.
[hehehhehhe]
Ótima semana para todos!
Adailton Nunes

Link permanente Deixe um comentário

Aquarela por Chimarruts

outubro 21, 2009 at 8:11 pm (Uncategorized)

Resolvi compartilhar com vcs essa música que ficou presente em meus processos, em uma nova versão cantada por uma banda de reggae do sul chamada Chimarruts

Abraços, Adailton Nunes.

Link permanente 1 Comentário

Esta é a minha ordem de observação – Sexta, 09/10/2009 – Adailton Nunes

outubro 16, 2009 at 8:20 pm (Uncategorized)

E em casa, é chegada a hora de escrever. Vou colocar então no ‘papel’ as práticas do meu corpo e de minhas memórias de um dia atrás.
Relembrar as partituras e refazê-las até o IHAC num período de no máximo meia hora. Assim é dada a ordem. Seria ilógico se não estivéssemos interados do que já estávamos fazendo e com um propósito a ser atingido, ou então continuaria sendo como para muitos que observavam, algo estranho ainda que como disse Carol: “Nada que é humano me é estranho…”. Criar partindo do que aprendemos e do que praticamos vai se tornando mais fácil e prazeroso, porém escrever já não digo o mesmo.
Mais uma vez a minha percepção do mundo e do que presencio todos os dias que me passa despercebido e vem para demonstrar o quanto devo ser mais atento e mais ágil quanto ao espaço e o meio que estou inserido. Reggae, cheiro de erva nada de estranho, uma experiência que confirmo que mesmo que embalada pelo delicioso ritmo da música não me desperta vontade alguma. Detesto cigarros! Continuo na minha partitura, interagindo mais uma vez, Vamos Iara, ta lindo! Olha o cachorro! Furei o meu pé!
Impulsos na barra do lado de fora da sala, e uma observação. A vergonha e a timidez presente no exercício de caminhada em câmera lenta já não são os mesmos e nem possuem as mesmas dimensões. Tudo registrado pela segurança interna. Mãe tô no IHAC!!! Será?
Vamos relaxar, dois a dois, um senta e o outro segue as ordens de Carol, para um lado, para outro, monte sua forma, modifique, observe, mude de lugar e deixe que o outro te faça o mesmo.
Agora leia e monte sua forma, sua ordem.
Acredito que além de mudar para um coletivo de verdade as células mutáveis também estão mudando de cor.

Link permanente Deixe um comentário

Sugestão!

outubro 15, 2009 at 4:12 pm (Uncategorized)

Carol e Lilih

Nesse processo de evolução, ficaria feliz em contar com vossas percepções/observações/palavras, sobre nossas aulas em nosso blog.

Seria enriquecedor para nós alunos dialogar com outras estâncias… Que está num ângulo diferenciado.

Que tal?

Jacson

Link permanente 1 Comentário

Notas sobre a experiência e o saber da experiência – Jorge Larrosa Bondía

outubro 15, 2009 at 4:04 pm (Uncategorized)

[…] Por isso é incapaz de experiência aquele que se opõe, ou se impõe, ou se propõe, mas não se ex-põe. É incapaz de experiência aquele que nada lhe passa, a quem nada lhe acontece, a quem nada lhe sucede a quem nada o toca, nada lhe chega, nada o afeta, a quem nada o ameaça, a quem nada ocorre. (p. 25)

Jacson


Link permanente 1 Comentário

NOVAS DIRETRIZES!!!!!!

outubro 15, 2009 at 2:55 am (Uncategorized)

Povo!!!

Estamos em contagem regressiva, portanto, como o próprio trabalho grita, seguem as novas diretrizes!!!!

1 – Exploraremos novos espaços, portanto tragam roupas confortáveis que possam ficar bem sujas!!! rss

2 – Trazer objetos, roupas e materiais diversos (músicas, luzes, etc) que vêem de encontro ao que estão criando individualmente.

3 – Trazer um texto pessoal para ser lido para o coletivo – Importante: o texto escolhido deve também ir de encontro/colaborar/ revelar o processo criativo de cada um.

Lilih e Carol

Link permanente 1 Comentário

Next page »